Agendas verdes para a inovação: aviso aberto

O IAPMEI anuncia aviso aberto até 31 de março, relativo às agendas mobilizadoras e agendas verdes para a inovação empresarial.


A Componente 5 – Capitalização e Inovação Empresarial, integrada na Dimensão Resiliência do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), visa aumentar a competitividade e a resiliência da economia com base em I&D, inovação, diversificação e especialização da estrutura produtiva. Desta Componente fazem parte as medidas relativas às Agendas/Alianças Mobilizadoras para a Reindustrialização e às Agendas/Alianças Verdes para a Inovação Empresarial.

A Portaria nº 43-A/2022, publicada a 19 de janeiro último, criou um sistema de incentivos denominado «Agendas para a Inovação Empresarial», que visa promover e apoiar financeiramente os projetos com foco na recuperação transformadora da economia, de forma duradoura, justa, sustentável e inclusiva, nomeadamente ao nível do investimento empresarial inovador.

Depois de analisar as candidaturas de 143 consórcios à primeira fase das Agendas Mobilizadoras e Agendas Verdes, foram apresentadas e selecionadas 70 Agendas. Estas acedem agora à segunda fase, ao apresentar candidaturas a financiamento constituídas por propostas finais, no âmbito deste concurso.

O aviso está aberto até às 19h00 de 31 de março, sendo necessário apresentar um novo formulário de candidatura e estar atento às alterações dos avisos anteriores.


Mais informações e documentos para download aqui.

As Agendas para a Inovação Empresarial têm como objetivo, até 2030, contribuir para a alteração do perfil de especialização da economia portuguesa, aumentar as exportações de bens e serviços, incrementar o investimento em I&D, garantindo atingir 3% do PIB até 2030 e reduzir as emissões de CO2 em 55% até 2030. Entre os seus contributos para os objetivos gerais do PRR, destacam-se a promoção da coesão económica, social e territorial da União, o reforço da resiliência económica e social e o atenuar do impacto social e económico da crise.

As propostas devem estar inseridas nas seguintes áreas e subáreas temáticas, definidas na Estratégia Nacional de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente (ENEI):

1. Tecnologias Transversais e suas Aplicações


Energia
Tecnologias e Informação e Comunicação
Matérias-primas e Materiais

2. Indústrias e Tecnologias de Produção

Tecnologias de Produção e Indústrias de produto
Tecnologias de Produção e Indústrias de processo

3. Mobilidade, Espaço e Logística

Automóvel, Aeronáutica e Espaço
Transportes, Mobilidade e Logística

4. Recursos Naturais e Ambiente

Agroalimentar
Floresta
Economia do Mar
Água e Ambiente


5. Saúde, Bem-Estar e Território

Saúde
Turismo
Indústrias Culturais e Criativas
Habitat


Recordamos que, entre as condições para aprovação, os pactos de inovação deveriam envolver um valor de investimento indicativo mínimo de 50 milhões de euros; ser desenvolvidos por Consórcios que integrassem preferencialmente um mínimo de 10 entidades, abrangendo obrigatoriamente a participação de empresas e de ENESII, e incluindo, pelo menos, uma NPME (em casos excecionais e mediante fundamentação, poderá não ser exigida a participação de NPME), e estar concluídos e com resultados concretizados até 31/12/2025.

Por sua vez, os projetos mobilizadores de agendas de inovação tinham de cumprir os seguintes requisitos: envolver um valor de investimento indicativo superior a 20 milhões de euros e ter uma duração máxima de 36 meses.  

Integradas no PRR, as Agendas/ Alianças Verdes têm como objetivo reforçar a importância do crescimento verde e da inovação em domínios relevantes para a aceleração da transição verde. Segundo o IAPMEI, pretendia-se dinamizar um número limitado de Agendas Verdes para a inovação empresarial, com ênfase na reindustrialização, devendo os projetos colaborativos a apoiar permitir alavancar o desenvolvimento de novos produtos, serviços e soluções, com elevado valor acrescentado e incorporação de conhecimento e tecnologia, que permita responder ao desafio da transição verde em direção à sustentabilidade ambiental.


Fonte
: IAPMEI

Scroll to Top