Desde 2020 foram criadas 85 mil empresas de tecnologia no Brasil

Grupo de 4 pessoas, todas ao computador sobre uma mesa. Vista de cima.

2020 representou um marco de transformação digital no Brasil e 2021 veio reforçar essa tendência, conclui estudo.

Tech Report 2021 realizado pelo Observatório da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) e pela Neoway, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) conclui que foram criadas 85 mil empresas no segmento de tecnologia da informação no Brasil — um salto de 25,1% em relação a 2019. Nos últimos dois anos, o crescimento é de 55%.

Segundo o site canaltech, a faturação total do setor de tecnologia brasileiro foi de R$426,9 bilhões em 2020, representando 5,6% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. O grande destaque vai para São Paulo, com quase metade (48,4%) do montante – cerca de R$206 bilhões. Rio de Janeiro (10%), Minas Gerais (6,3%) e Rio Grande do Sul (5,4%) surgem nos lugares seguintes. 

São Paulo salienta-se igualmente no número de empreendedores: dos 542 mil empreendedores do setor no Brasil, cerca de 197 mil (36,4%) atuam nesta região. O Rio de Janeiro, por sua vez, aparece na segunda posição com 50 mil empreendedores (9,2% de participação). Minas Gerais ocupa o terceiro lugar, com 39 mil empreendedores (7,2%).

Por outro lado, o maior crescimento do país (63,2%) em quantidade de empresas de tecnologia entre 2015 e 2020 é Santa Catarina, que regista 26,1%, bem acima da média nacional. Já Florianópolis tem a maior densidade de empresas por mil habitantes, seguida de São Paulo e Curitiba.

“Vemos um crescimento sustentável, mesmo na pandemia. Com a transformação digital acelerada, tivemos aumento do faturamento, abertura de empresas e necessidade de colaboradores. Isso é resultado de um empreendedorismo inovador, articulações e parcerias entre entidades, empresas, Academia e Governo”, destaca Iomani Engelmann, presidente da Acate, citado pelo canaltech.

Para Kadu Monguilhott, CEO da Neoway, a tecnologia exerce um papel cada vez mais importante no fomento da economia. “O crescimento do setor evidencia seu protagonismo como agente catalisador de negócios no Brasil”, aponta o responsável, segundo a mesma fonte.

O setor das TI mantém-se de boa saúde e com muitas vagas disponíveis até 2023. Segundo a Acate, em Santa Catarina serão 4,5 mil novos postos de trabalho até o fim de 2021, 5,3 mil em 2022 e 6,6 mil em 2023. Mais da metade (9,3 mil ou 56%) das 16,6 mil novas vagas até 2023 são para desenvolvimento de software.

Os profissionais mais procurados são full stack, back-end e front-end developers. Surgem depois os analistas de serviços, de suporte e de negócio. As competências mais exigidas são tecnologias ágeis, experiência profissional na área, execução de projetos e domínio de linguagens de programação.

Moacir Marafon, vice-presidente de Talentos da Acate, diz que há uma procura crescente por profissionais em empresas de tecnologia. Para dar resposta a estas necessidades e, ao mesmo tempo, oferecer oportunidades de inclusão, há iniciativas com a participação de diversos atores do ecossistema de tecnologia.

Scroll to Top