O valor dos produtos regionais brasileiros

Brasil tem quase 90 produtos regionais com indicações geográficas. A revista Veja analisou alguns que ganham relevância internacional.


Os produtos regionais brasileiros são uma fonte de riqueza nacional. A revista Veja analisou vinhos, queijos, café e cachaça artesanal, entre outras especialidades, que ganharam maior relevância internacional ao terem delimitado e protegido as respetivas regiões e modos de produção.

“O Brasil é uma força nascente no universo das indicações geográficas”, considera a publicação. A proteção de indicação geográfica é um “mecanismo de reconhecimento da notoriedade de uma região e um povo em produzir bens e serviços específicos e uma forma de proteção à propriedade intelectual brasileira”. Ou seja, quando determinado produto é reconhecido pelas entidades competentes como tendo indicação geográfica, o seu nome passa a só poder ser usado pelo número restrito de produtores identificados num território geograficamente delimitado, que sigam as regras de produção estabelecidas. Assim, o nome desse produto não pode ser utilizado por nenhum outro agente no mercado.

O Brasil conta neste momento com 88 indicações geográficas, entre 68 indicações de procedência e 20 denominações de origem. Estes números prometem continuar a crescer, à medida que aumentam os pedidos de proteção e as concessões atribuídas. “Só em 2021, o Brasil reconheceu 13 novas indicações geográficas”, adianta a 13ª edição da Veja Insights.

Estes são os produtos regionais brasileiros destacados pela Veja:

  • Cachaça do Brasil
  • Café do Cerrado Mineiro
  • Queijo da Canastra
  • Cacau da Bahia 
  • Vinho Vale dos Vinhedos

De referir que as indicações geográficas apareceram pela primeira vez na legislação brasileira em 1996, na Lei de Propriedade Industrial (LPI). A nível global, existem mais de 10 milhões de produtos com indicação geográfica, cum um valor de 50 mil milhões de dólares. 90% destes produtos encontram-se nos países desenvolvidos.

Scroll to Top